Sinmark não pode ouvi-lo, mas você deve ouvi-lo

Mos Surdos

Signmark não pode ouvi-lo – mas você deve ouvi-lo

POR DAN BOLLES [04.11.12]

Finlandês rapper Signmark se considera parte de uma minoria.Na verdade, ele é parte de um par de minorias. Por um lado, a sua Finlândia natal é pouco conhecido como um local de hip-hop quente, o que o torna único nos círculos da música finlandesa. Ele também é surdo.

Signmark adotou o que muitos vêem como uma desvantagem. Ele vê a surdez como parte de uma “minoria lingüística” e usa a linguagem de sinais para inspirar a mudança social. Com a ajuda de um MC de ouvir, que dá voz audível para idéias musicais de Signmark expressas através de rimas assinadas, o rapper já conquistou uma carreira impressionante. Ele excursionou por todo o globo e é assinado com a Warner Europa, fazendo dele o primeiro músico surdo sempre em uma grande gravadora.

Este sábado, 14 de abril de Signmark vai se apresentar no Salão Superior terra Showcase, em comemoração ao Mês da História dos Surdos. Em antecipação desse show, Sete Dias falou com o rapper por e-mail. Porque o Inglês é a linguagem da quinta Signmark, partes desta entrevista foram editadas ou parafraseado.

SD: Quando e como você começou a experiência do hip-hop?
SIGNMARK: Quando eu era adolescente, eu traduzi muitas canções diferentes para a linguagem gestual, como Bon Jovi, Michael Jackson, AC / DC, NKOTB, etc A primeira vez que viu Coolio, Run DMC, o Fugees e MC Hammer, comecei a ler suas letras e assistir seus vídeos musicais. Eles levaram o meu coração, e eu comecei a aprender mais sobre o hip-hop (música, letras, arte, roupas, etc.) Percebi que eu poderia fazer canções sobre direitos iguais, e que o hip-hop seria um canal perfeito para mim compartilhar minha experiência e vida. Então eu comecei a traduzir diferentes hip-hop como a linguagem gestual. Então eu comecei a escrever minhas próprias músicas.

SD: Existe muito de uma cena do hip-hop na Finlândia?
A cena hip-hop na Finlândia é maior do que antes. Há mais de hip-hop músicas em rádio e mais de hip-hop artistas em festivais. Os finlandeses são muito mais interessados ​​em hip-hop agora do que antes, mas ainda não é tão grande como rock, pop metal ou pesado.

SD: Como foi a recepção inicial para você como artista? Havia a suspeita de outros rappers, ou mais do que há, normalmente, seria para um rapper novo? Você tem que provar a si mesmo?
Era 50/50, tanto para audição e comunidades surdas. Na comunidade de audiência, algumas pessoas são tão interessado que a linguagem gestual veio ao mundo da música.É uma experiência nova, fresca e grande. Algumas pessoas ainda pensam que surdo é sempre surdo, ea música é para os ouvidos. Esquecem-se de olhos, o sentido do tato, etc Além disso, para algumas pessoas ouvindo esta coisa é demais para eles: surdo, linguagem gestual, hip-hop.

Algumas pessoas surdas são tão felizes de ter um modelo novo. Eles podem usar meu nome para mostrar aos amigos seus aparelhos e familiares que eles podem fazer qualquer coisa. Outros estão animado para ir a uma boate e ver um artista que é um surdo.
Algumas pessoas surdas acho que a música ainda é apenas para os ouvintes. Eu acho que é por causa de sua experiência: “Você é surdo, você não pode tocar música!”

SD: Você usa um monte de freqüências muito baixas em suas batidas e produção. É porque você pode realmente ouvir, ou talvez sentir, notas e batidas que baixa?
Sim, eu tenho que sentir todas aquelas batidas no palco para que eu possa contar ritmos. Todos esses chutes e vibrações são as coisas mais importantes para mim! Eu não posso viver sem ela. Eu posso ouvir algumas vozes, mas não sei se é homem ou mulher.Ou é piano ou guitarra? Se alguém grita o meu nome eu poderia ouvi-lo, mas eu não sei onde que a voz veio.

SD: Você escreve com um fluxo específico ou cadência rítmica em mente?Se assim for, como o MC sei se ele está usando o fluxo correto?
Primeiro, eu escrevo uma história sobre a canção. Então Brandon [MC] escreve letras sobre o assunto, incluindo os fluxos. Depois que eu fazer a letra para a língua de sinais e “organizar” flui para a linguagem de sinais (não voz). Então, se alguém não sabe a língua de sinais, eles podem perder o meu fluxo.

SD: Quando você adota o ponto de vista que não é uma deficiência surdez, mas uma minoria linguística?
Quando eu estudei na universidade. Foi a primeira vez que eu perguntei, Quem sou eu?Quais são as minhas necessidades? Que as coisas poderiam me fazer melhor? Além disso, eu comecei a comparar minha surdez para outras deficiências como a cegueira, as pessoas em cadeiras de rodas, etc

SD: Existem outros gêneros de música que você pode experimentar na maneira que você experimenta hip-hop?
Quando você sabe que a música parece, você pode fazer qualquer coisa com ele.

SD: Se você não fosse músico, o que você estaria fazendo?
Hóquei no gelo jogador. Vá, Finlândia, vai!

SD: O que é o maior equívoco que as pessoas têm sobre audição a surdos?
que os surdos estão desativados. Eu não sinto que eu sou deficiente. Eu tenho meu próprio intérprete, porque as pessoas de audição não sei linguagem gestual. Mas se todos nós sabíamos que a linguagem de sinais, eu não iria precisar de um.

SD: Quem são alguns artistas que idolatram?
Eu não tenho um artista a quem idolatrar. Eu gosto de tantos, porque eles estão fazendo seu próprio caminho. Se eu tiver que escolher um momento, eu diria que Eminem.

SD: Qual é a coisa mais estranha, engraçada ou talvez, o que aconteceu com você em turnê?
Tivemos um show ao vivo na Etiópia, longe da cidade. Quando chegamos lá com computadores e coisas elétricas, descobrimos que não havia energia no prédio! Oh, bem.É sorte que tivemos na África, onde há um monte de tambores.

http://www.7dvt.com/2012signmark

Piano com asas

Tocar e ouvir  piano faz a mente trabalhar, a alma voar e o coração pulsar forte.

Florbela Espanca

Poetas

Ai das almas dos poetas
Não as entende ninguém;
São almas de violetas
Que são poetas também.

Andam perdidas na vida,
Como estrelas no ar;
Sentem o vento gemer
Ouvem as rosas chorar!

Só quem embala no peito
Dores amargas e secretas
É que em noites de luar
Pode entender os poetas.

E eu que arrasto amarguras
Que nunca arrastou ninguém
Tenho alma pra sentir
A dos poetas também.

Florbela Espanca
(1894-1930)
Poeta Portuguesa

Para conhecer mais:  http://purl.pt/272/2/

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: