Poema: Intermezzo

Intermezzo

do interior da íris,
implora em um idílio,
– irmão não me instes para que vá,
no inverno ficarei incólume,
no verão iluminada,
no outono inerente
e na primavera inflorescente.

          n.n.a 

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: