Bella e Chagall ( Noemi N. Ansay)

Chagall,

na tela as cores do amor,

no entorno: guerra, tristeza e dor,

místico, mágico e sonhador,

com um toque de Midas,

transformou a crueldade,

em uma perspectiva poética de vida.

Bella,

ser alado, material e espiritual,

escritora de “Luzes Acesas”

intelectual, mulher e mãe,

voa nos ares de Vitebsk,

é a “noiva das luvas pretas”,

é a moça do “colar branco”.

Num passeio, “The promenade”,

o céu é tão alvo,

vê-se a cidade distante,

e um corpo feminino, rosado,

tão belo, ondula pelos ares,

na terra, com os pés bem firmados,

o homem, segura um pássaro,

sorri, extasiado com a força do amor.

Ela quer voar,

Ele tem os pés no chão,

Um dia voariam juntos,

sobre a cidade,

o amor e a arte os levariam para além do tempo e espaço.

Noemi N.Ansay

“Haverá sempre crianças que amarão a pureza, apesar do inferno criado pelos homens.” (Chagall)

Poema Marc Chagall ( tradução Manoel Bandeira)

Poema Marc Chagall


Só é meu

O país que trago dentro da alma.

Entro nele sem passaporte

Como em minha casa.

Ele vê a minha tristeza

E a minha solidão.

Me acalanta.

Me cobre com uma pedra perfumada.

Dentro de mim florescem jardins.

Minhas flores são inventadas.

As ruas me pertencem

Mas não há casas nas ruas.

As casas foram destruídas desde a minha infância.

Os seus habitantes vagueiam no espaço

À procura de um lar.

Instalam-se em minha alma.

Eis porque sorrio

Quando mal brilha o meu sol.

Ou choro

Como uma chuva leve

Na noite.

Houve tempo em que eu tinha duas cabeças.

Houve tempo em que essas duas caras

Se cobriam de um orvalho amoroso.

Se fundiam como o perfume de uma rosa.

Hoje em dia me parece

Que até quando recuo

Estou avançando

Para uma alta portada

Atrás da qual se estendem muralhas

Onde dormem trovões extintos

E relâmpagos partidos.

Só é meu

O mundo que trago dentro da alma.


Marc Chagall

Tradução do poema por Manuel Bandeira (1886-1968) publicada em Estrela da Vida Inteira, 20ª edição, 30ª reimpressão, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 2002.

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: