Música no Século XX e XXI

<a href="http://http://documents.scribd.com/ScribdViewer.swf?document_id=3718184&access_key=key-13w3mycs4u8ajgi11ws8&page=&version=1&auto_size=true

Read this document on Scribd: Historia da Música do Século XX e XXI

“>

Surdos

<a id="doc_839654294022166" href="http://

<a href="http:// http://documents.scribd.com/ScribdViewer.swf?document_id=3187100&access_key=key-2as198if6mgx65uo40s&page=&version=1&auto_size=true

“>

The Call – Regina

It started out as a feeling
Which then grew into a hope
Which then turned into a quiet thought
Which then turned into a quiet word

And then that word grew louder and louder
‘Til it was a battle cry
I’ll come back
When you call me
No need to say goodbye

Just because everything’s changing
Doesn’t mean it’s never
Been this way before

All you can do is try to know
Who your friends are
As you head off to the war

Pick a star on the dark horizon
And follow the light

You’ll come back
When it’s over
No need to say good bye
You’ll come back
When it’s over
No need to say good bye
Now we’re back to the beginning
It’s just a feeling and now one knows yet
But just because they can’t feel it too
Doesn’t mean that you have to forget

Let your memories grow stronger and stronger
‘Til they’re before your eyes

You’ll come back
When they call you
No need to say good bye
You’ll come back
When they call you
No need to say good bye

Musica Crônicas de Nárnia- Regina Spektor

Download Regina Spektor – The Call

Música Maravilhosa Regina Spektor

La vie en close

La Vie en Close

quem poderia explicar ?
as lágrimas das crianças órfãs de Ruanda,
a fome da África que é rica de diamantes,
braços e pernas amputados pela guerra.

quem poderia responder ?
pelos milhares de mortos em Auschwitz,
pela arrogância de doutores que incineraram inocentes,
pela insensatez do homem que acredita na limpeza étnica.

quem poderia entender?
que espaço e tempo são dimensões ainda incompreensíveis,
que somos parte de um todo,
mesmo sendo apenas um grão de areia.

quem poderia controlar ?
a força do vento e do mar,
o aquecimento terrestre,
a força da vida e da morte

quem poderia imaginar?
relacionamentos virtuais,
vazios, tristes, irreais,
a vida em close para todo mundo.

quem poderia explicar?
por que as ilusões ás vezes parecem reais,
e o real ás vezes parece ilusão,
que o virtual não é real .

quem poderia responder?
pela dor dos que tem fome,
por sete milhões de desempregados no Brasil,
pelos presídios abarrotados de gente.

quem poderia entender?
porque choramos pelos que se foram
e não por aqueles que tentam sobreviver
nas guerras, nas ruas, nas favelas e nos abrigos

quem poderia controlar?
a insensatez humana ,
o amor que se esfria,
a solidão no meio da multidão.

quem poderia imaginar?
que homens e mulheres julgam-se melhores,
pela cor dos olhos e da pele,
pelo que tem e não pelo que são?

quem poderia explicar?
que do pó viemos e para ele tornaremos,
que tudo é passageiro e a vida é breve,
e que a vida não termina na morte.

N.N.A 22/06/2008

“Depois voltei-me, e atentei para todas as opressões que se fazem debaixo do sol: eis que vi lágrimas dos que foram oprimidos e dos que já não tem consolador, e a força estava na banda dos seus opressores; mas eles não tinham consolador. 

Olha , Senhor quanto estou angustiado; turbados estão as minhas entranhas, o meu coração está transtornado no meio de mim. Lembra-te Senhor do que nos tem sucedido; considera e olha para o nosso opróbrio.

Órfãos somos sem pai, nossas mães são como viúvas.
A nossa água por dinheiro bebemos….
Os velhos já não têm assento nas portas, os moços já não cantam.
Cessou o gozo de nosso coração, converteu-se em lamentação nossa dança.
Por isso desmaiou nosso coração; por isso escureceram nossos olhos. Converte-nos, Senhor a ti, e nós nos converteremos, renova os nossos dias como dantes.”
Ec 4:1 Lm 1:20 e 5:- 1-22

Poesia na Clínica


O POETA É POÉTICO.

O POETA ESCREVE POEMAS.
O POETA ESCREVE COM O CORAÇÃO.


Ana Paula Izchi 12 anos

A Ana é uma linda menina com quem tenho a alegria e a satisfação
de trabalhar aos sábados de manhã.
Este poema foi escrito partindo da leitura de poemas do Paulo Leminski.

Ela estuda no Instituto de Educação do Paraná

Imagem e texto usados com autorização.

Paulo Leminski

acordei bemol
tudo estava sustenido

sol fazia
só não faz sentido


LEMINSKI, Paulo.Melhores poemas de Paulo Lemisnki. Fred Góes, Álvaro Marins. São paulo:Global,2001

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: