Como funciona nosso ouvido?

A orelha funciona como uma concha acústica, que capta os sons e os direciona para o canal auditivo. As ondas sonoras fazem vibrar o ar dentro do canal do ouvido e a vibração é transmitida ao tímpano. Esticada como a pele de um tambor, a membrana timpânica vibra, movendo o osso martelo, que faz vibrar o osso bigorna, que por sua vez, faz vibrar o osso estribo. Esses ossículos funcionam como amplificadores das vibrações. A base do osso estribo se conecta a uma região da membrana da cóclea denominada janela oval, e a faz vibrar, comunicando a vibração ao líquido coclear. O movimento desse líquido faz vibrar a membrana basilar e as células sensoriais. Os pelos dessas células, ao encostar levemente na membrana tectórica, geram impulsos nervosos, que são transmitidos pelo nervo auditivo ao centro de audição do córtex cerebral.

http://www.sobiologia.com.br/conteudos/FisiologiaAnimal/sentido6.php

Maravilhoso perceber cada detalhe no processo da audição, a anatomia e fisiologia do ouvido. Fico imaginando todo esse processo durante a audição de uma música.

Tecnologia musical : DJ Fresh & Mindtunes

 

DJ Fresh & Mindtunes: A track created only by the mind (Documentary)

Le Vent Nous Portera

Le Vent Nous Portera

Je n’ai pas peur de la route
Faudrait voir, faut qu’on y goûte
Des méandres au creux des reins
Et tout ira bien

Le vent l’emportera

Ton message à la grande ourse
Et la trajectoire de la course
A l’instantané de velours
Même s’il ne sert à rien

Le vent l’emportera
Tout disparaîtra
Le vent nous portera

La caresse et la mitraille
Cette plaie qui nous tiraille
Le palais des autres jours
D’hier et demain

Le vent les portera

Génétique en bandoulière
Des chromosomes dans l’atmosphère
Des taxis pour les galaxies
Et mon tapis volant lui

Le vent l’emportera
Tout disparaîtra
Le vent nous portera

Ce parfum de nos années mortes
Ceux qui peuvent frapper à ta porte
Infinité de destin
On en pose un, qu’est-ce qu’on en retient?

Le vent l’emportera

Pendant que la marée monte
Et que chacun refait ses comptes
J’emmène au creux de mon ombre
Des poussières de toi

Le vent les portera
Tout disparaîtra
Le vent nous portera

Faudrait voir, faut qu’on y goûte
Des méandres au creux des reins
Et tout ira bien

Le vent l’emportera

Ton message à la grande ourse
Et la trajectoire de la course
A l’instantané de velours
Même s’il ne sert à rien

Le vent l’emportera
Tout disparaîtra
Le vent nous portera

La caresse et la mitraille
Cette plaie qui nous tiraille
Le palais des autres jours
D’hier et demain

Le vent les portera

Génétique en bandoulière
Des chromosomes dans l’atmosphère
Des taxis pour les galaxies
Et mon tapis volant lui

Le vent l’emportera
Tout disparaîtra
Le vent nous portera

Ce parfum de nos années mortes
Ceux qui peuvent frapper à ta porte
Infinité de destin
On en pose un, qu’est-ce qu’on en retient?

Le vent l’emportera

Pendant que la marée monte
Et que chacun refait ses comptes
J’emmène au creux de mon ombre
Des poussières de toi

Le vent les portera
Tout disparaîtra
Le vent nous portera

Compositores: Bertrand Cantat, Serge Teyssot-Gay, Jean-Paul Roy e Denis Barthe

Música e Pessoas Surdas

 

Fiquei emocionada com a performance de Mandy Harvey, surda desde os 18 anos de idade, ela se apresentou no programa America’s Got Talent, da NBC, com uma música autoral.

Música e Pessoas Surdas

“Para conceituar o que é música, precisamos levar em conta os aspectos relacionados à cultura, aspectos visuais, performáticos da execução musical, o movimento, a dança e também a letra das canção. Quando falamos de pessoas surdas e música, podemos nos perguntar: qual é a relação dessas pessoas com a música e como ela acontece? A música está presente na vida de pessoas surdas? A resposta é complexa e dependerá do grau de perda auditiva, se a pessoa nasceu surda ou se perdeu a audição posteriormente, a comunidade a que pertence, a representação social que a música tem para ela. No entanto, percebe-se na atualidade que muitos surdos têm quebrado paradigmas e revelam que as experiências são diversas, vão desde ser um instrumentista, intérprete, compositor , além do uso Língua de Sinais para interpretar a letra de músicas. Sobretudo acredito que a música não pertence somente aos ouvintes, ela é uma construção sócio-histórica, um patrimônio de toda humanidade.”

Noemi N. Ansay

Leia o artigo:
A Música no Cotidiano de Pessoas Surdas

Imagem: http://veja.abril.com.br/entretenimento/cantora-surda-emociona-plateia-em-programa-de-calouros/

“A música como estímulo multimodal e a sua relação com as áreas funcionais do cérebro.” Profº Raúl Enrique Rincón Florez (Universidade Nacional da Colômbia)

“A música como estímulo multimodal e a sua relação com as áreas funcionais do cérebro.”

Teremos o prazer de receber nas próximas semanas a visita do Engenheiro de Som, Musicoterapeuta e Professor da Universidade Nacional da Colômbia – Raúl Enrique Rincón Florez, no Campus Curitiba II – Unespar
Todos estão convidados a participar das palestras e mini-cursos: estudantes, musicoterapeutas e educadores musicais !!!!! Inscrições no Local – emitiremos certificados de participação.   

LA_MUSICA_COMO_ESTIMULO_MULTIMODAL

Noh 能

Teatro-Noh-Divulgacao-capa

Noh 能

Na máscara do Shite
o enigma, o mistério,
a voz medieval,
as mãos hábeis,
os passos medidos,
o ir e o ficar,
o sobrenatural.

O Waki
sem máscara,
de carne e osso,
com os pés no chão,
revela ousadia na voz,
frágil humanidade,
ousa olhar para o mundo do além.

Na orquestra:
o tamboril pequeno,
o tamboril grande,
o tambor de baquetas,
a flauta de bambu,
o coro de homens,
música essencial.

A poesia,
a música,
os movimentos lentos,
o suntuoso vestuário,
arrebata os sentidos,
tudo é sereno
calmo
zen.

noemi n. ansay

Imagem: http://teatrojornal.com.br/2015/09/a-tradicao-da-escola-noh-de-kanze/

IMG_20170330_194206_811

No dia 30 de março, às 18h, no hall da Biblioteca Cental, acontece o “Encontro Musical”, com a apresentação de “Ressonâncias” – Conjunto livre de Flauta Doce da EMBAP. O Encontro Musical é gratuito e aberto a comunidade em geral. Não é necessário realizar inscrições.

Serviço

Encontro Musical

Quando: 30/3/2017

Onde: Hall da Biblioteca Central – Rua Imaculada Conceição, 1155 – Prado Velho | Curitiba -PR

Horário: 18h

http://www.pucpr.br/noticia.php?ref=1&id=2017-03-27_65493

 

CHRISTINE SUN KIM The enchanting music of sign language

 

Transcrição em Português da palestra

Intérprete: Piano, “p,” é o meu símbolo musical favorito. Significa tocar suavemente. Se estamos tocando um instrumento, e percebemos um “p” na partitura, precisamos tocar suavemente. Dois p’s, mais suave. Quatro p’s, extremamente suave. Esse é o meu desenho de uma árvore de p, que demonstra não importa quantos milhares de p’s possam existir, nunca se atingirá o silêncio completo. Essa é a minha atual definição de silêncio: um som quase imperceptível.

0:55Gostaria de falar um pouco sobre a história da Língua de Sinais Americana, ASL, e também um pouco da minha própria história. A língua de Sinais Francesa foi trazida para América no início dos anos 1800, e com o passar do tempo, se misturou com sinais locais, e evoluiu para o que hoje conhecemos com ASL.Então ela tem uma história de cerca de 200 anos.

1:22Eu nasci surda, e me ensinaram a crer que som não fazia parte da minha vida. E acreditei que era verdade. Agora eu sei que não era o caso. Som era sim parte da minha vida, está no meus pensamentos todo dia. Sendo uma pessoa surda vivendo em um mundo de som, era como se eu vivesse em um país estrangeiro, cegamente seguindo suas regras, costumes, comportamentos e normas sem nunca questionar.

2:12Então como eu compreendo som? Bem, eu observo como as pessoas se comportam e reagem ao som.Vocês são como meus alto-falantes e amplificadores. Eu aprendo e imito esse comportamento. Ao mesmo tempo, compreendi que eu também crio som e eu vi como as pessoas respondem a mim. Então eu aprendi, por exemplo: “Não bata a porta!” “Não faça muito barulho quando está comendo batatas fritas no pacote!”

2:43″Não arrote, e quando estiver comendo, não raspe seus talheres no prato.” Todas essas coisas eu chamo de “etiqueta de som”. Talvez eu pense mais sobre etiqueta de som do que uma pessoa que ouve pensa. Sou hipervigilante perto de sons. E estou sempre à espera, numa antecipação nervosa do que vai acontecer com o som.

3:12Por isso esse desenho. TBD, a ser decidido. TBC, a ser continuado. TBA, a ser anunciado. E percebam na pauta: não existem notas nas linhas. Isso porque as linhas já contêm som através de manchas e borrões sutis.

3:39Na cultura surda, movimento equivale a som. Esse é o sinal para “pauta” em ASL. Uma pauta típica contém cinco linhas. Ainda assim, sinalizar com o dedão para cima não parece natural. Por isso podem perceber nos meus desenhos, que uso quatro linhas no papel.

4:04Em 2008, tive a oportunidade de viajar para Berlim, Alemanha, para uma residência artística. Antes disso, eu trabalhava como pintora. Durante aquele verão, visitei diferentes museus e galerias, e enquanto ia de um lugar para outro, percebi que não havia artes visuais lá. Naquela época, som era tendência, e isso me impressionou… não havia artes visuais, tudo era auditivo.

4:36Agora o som entrou para o meu território na arte. Isso irá me distanciar mais da arte? Percebi que isso não precisa acontecer. Eu conheço som. O conheço tão bem que não precisa ser apenas uma experiência auditiva. Ele pode ser sentido pelo tato, pode ser percebido como visual, ou mesmo como uma ideia.

5:04Então decidi recuperar a posse do som e o usar na minha prática artística. E tudo que me ensinaram sobre som, decidi descartar e desaprender. Comecei a criar um novo trabalho. E quando o apresentei para a comunidade artística, fiquei deslumbrada com o apoio e atenção que recebi. Eu percebi: som é como dinheiro, poder, controle; valor social. No fundo, sempre acreditei que som fosse algo seu, algo de pessoas que ouvem. E som é tão poderoso que poderia desempoderar a mim e ao meu trabalho, ou me empoderar. Escolhi me empoderar.

6:07Existe uma cultura enorme em torno da língua falada. E porque não uso literalmente minha voz para me comunicar, aos olhos da sociedade é como se eu não tivesse voz. Então preciso trabalhar com pessoas que me tratem de igual para igual e se tornem minha voz. Dessa forma, consigo manter relevância na sociedade de hoje.

6:35Então na escola, no trabalho e em instituições, trabalho com vários intérpretes de ASL. E suas vozes se tornam minha voz e identidade. Eles me ajudam a ser ouvida. E suas vozes têm valor e aceitação.Ironicamente, ao me valer de suas vozes consigo manter uma forma temporária de aceitação, quase como pegar um empréstimo com elevada taxa de juros. Se eu não continuasse com essa prática, sinto que poderia sumir no esquecimento e não ter nenhuma forma de valor social.

7:28Então, tendo o som como meu novo meio de arte, mergulhei no mundo da música. Fiquei surpresa ao descobrir as semelhanças entre música e ASL. Por exemplo: uma nota musical não pode ser totalmente captada e expressa no papel. E o mesmo se aplica a um conceito em ASL. Ambos são altamente espaciais e modulados, o que significa que pequenas mudanças podem alterar todo o significado dos sinais e sons.

8:10Gostaria de compartilhar com vocês uma metáfora de piano, para que tenham uma melhor compreensãode como a ASL funciona. Então imaginem um piano. ASL é dividida em vários parâmetros gramaticais diferentes. Se atribuirmos um parâmetro diferente a cada dedo, como se faz no piano, como expressões faciais, movimentos do corpo, velocidade, formato da mão e assim por diante, como se faz no piano. O inglês é um idioma linear, como uma tecla pressionada por vez. Porém, ASL é mais como um acorde:todos os dez dedos devem pressionar simultaneamente para expressar um conceito ou ideia claros na ASL. Se uma das teclas mudasse o acorde, criaria um significado completamente diferente. O mesmo se aplica à música em relação a tom, timbre e volume. Na ASL, valendo-nos de vários parâmetros gramaticais, podem ser expressas diversas ideias.

9:16Por exemplo, o sinal OLHAR-PARA. Esse é o sinal OLHAR-PARA. Estou olhando para

9:51Então pensei: “E se eu olhasse para ASL por uma lente musical?” Se eu criasse um sinal e o repetisse várias vezes, poderia se tornar algo como música visual. Por exemplo, esse é o sinal para “dia,” como o sol levanta e se põe. Esse é “o dia todo.” Se eu fosse repetir e desacelerar, visualmente parece música.Dia… todo. Acredito que o mesmo se aplica a “noite toda.” “Noite toda.” Isso é NOITE-TODA, representada nesse desenho. Isso me fez pensar em três tipos de noite: “noite de ontem,” “durante a noite,” (Cantando) “a noite toda.”

11:06Creio que o terceiro tem mais musicalidade que os outros dois.

11:12Isso representa como o tempo é expressado na ASL e como a distância do seu corpo pode expressar mudanças no tempo. Por exemplo, 1H é uma mão, 2H são duas mãos, o tempo presente acontece mais próximo e em frente ao corpo, o futuro é na frente do corpo, e o passado às suas costas O primeiro exemplo é “muito tempo atrás.” Então “passado,” “costumava” e o último, que é meu favorito, com uma noção bem romântica e dramática, “era uma vez.”

11:56″Tempo comum” é um termo musical com assinatura de tempo específica de quatro batidas por compasso. Mas quando eu vejo as palavras “tempo comum,” o que vem à minha cabeça automaticamente é “ao mesmo tempo.” Então percebam RH: mão direita, LH: mão esquerda. Temos a pauta na cabeça e no peito.

 

12:24Agora vou demonstrar um formato de mão chamado “Flash Claw” Vocês podem me acompanhar, por favor? Todo mundo, mãos para cima. Agora vamos fazer na cabeça e no peito, como “tempo comum” ou “ao mesmo tempo”. Sim, conseguiram. Isso significa “se apaixonar” na Língua de Sinais Internacional

12:52Língua de Sinais Internacional, como uma nota é uma ferramenta visual para ajudar a comunicação entre culturas e línguas de sinais pelo mundo.

13:00O segundo que eu gostaria de demonstrar é esse. Por favor me acompanhem novamente. E agora esse.Isso é “colonização” em ASL.

13:22Agora o terceiro. por favor me acompanhem de novo. De novo. Isso é “iluminação” em ASL. Vamos fazer os três juntos. “Se apaixonar,” “colonização,” e “iluminação.” Bom trabalho, pessoal.

13:52Percebam como os três são similares, eles acontecem na cabeça e no peito, mas eles tem significados bem diferentes.

13:58É incrível ver a ASL viva e prosperando, como a música está. Entretanto, hoje em dia, vivemos em um mundo centrado no áudio. E apenas porque ASL não tem som, automaticamente não tem moeda social.Precisamos pensar mais sobre o que define moeda social e permitir que a ASL desenvolva sua própria forma de moeda, sem som. Isso poderia ser um passo para uma sociedade mais inclusiva. E talvez as pessoas entendam que não precisam ser surdas pra aprender ASL, nem precisa ouvir para aprender música.

14:47ASL é um tesouro tão rico que eu gostaria que vocês tivessem a mesma experiência. E gostaria de lhes convidar a abrir seus ouvidos, abrir seus olhos, participar da nossa cultura e experimentar nossa linguagem visual. E nunca se sabe, talvez vocês se apaixonem por nós.

Intérprete: Piano, “p,” é o meu símbolo musical favorito. Significa tocar suavemente. Se estamos tocando um instrumento, e percebemos um “p” na partitura, precisamos tocar suavemente. Dois p’s, mais suave. Quatro p’s, extremamente suave. Esse é o meu desenho de uma árvore de p, que demonstra não importa quantos milhares de p’s possam existir, nunca se atingirá o silêncio completo. Essa é a minha atual definição de silêncio: um som quase imperceptível.

0:55Gostaria de falar um pouco sobre a história da Língua de Sinais Americana, ASL, e também um pouco da minha própria história. A língua de Sinais Francesa foi trazida para América no início dos anos 1800, e com o passar do tempo, se misturou com sinais locais, e evoluiu para o que hoje conhecemos com ASL.Então ela tem uma história de cerca de 200 anos.

1:22Eu nasci surda, e me ensinaram a crer que som não fazia parte da minha vida. E acreditei que era verdade. Agora eu sei que não era o caso. Som era sim parte da minha vida, está no meus pensamentos todo dia. Sendo uma pessoa surda vivendo em um mundo de som, era como se eu vivesse em um país estrangeiro, cegamente seguindo suas regras, costumes, comportamentos e normas sem nunca questionar.

2:12Então como eu compreendo som? Bem, eu observo como as pessoas se comportam e reagem ao som.Vocês são como meus alto-falantes e amplificadores. Eu aprendo e imito esse comportamento. Ao mesmo tempo, compreendi que eu também crio som e eu vi como as pessoas respondem a mim. Então eu aprendi, por exemplo: “Não bata a porta!” “Não faça muito barulho quando está comendo batatas fritas no pacote!”

2:43″Não arrote, e quando estiver comendo, não raspe seus talheres no prato.” Todas essas coisas eu chamo de “etiqueta de som”. Talvez eu pense mais sobre etiqueta de som do que uma pessoa que ouve pensa. Sou hipervigilante perto de sons. E estou sempre à espera, numa antecipação nervosa do que vai acontecer com o som.

3:12Por isso esse desenho. TBD, a ser decidido. TBC, a ser continuado. TBA, a ser anunciado. E percebam na pauta: não existem notas nas linhas. Isso porque as linhas já contêm som através de manchas e borrões sutis.

3:39Na cultura surda, movimento equivale a som. Esse é o sinal para “pauta” em ASL. Uma pauta típica contém cinco linhas. Ainda assim, sinalizar com o dedão para cima não parece natural. Por isso podem perceber nos meus desenhos, que uso quatro linhas no papel.

4:04Em 2008, tive a oportunidade de viajar para Berlim, Alemanha, para uma residência artística. Antes disso, eu trabalhava como pintora. Durante aquele verão, visitei diferentes museus e galerias, e enquanto ia de um lugar para outro, percebi que não havia artes visuais lá. Naquela época, som era tendência, e isso me impressionou… não havia artes visuais, tudo era auditivo.

4:36Agora o som entrou para o meu território na arte. Isso irá me distanciar mais da arte? Percebi que isso não precisa acontecer. Eu conheço som. O conheço tão bem que não precisa ser apenas uma experiência auditiva. Ele pode ser sentido pelo tato, pode ser percebido como visual, ou mesmo como uma ideia.

5:04Então decidi recuperar a posse do som e o usar na minha prática artística. E tudo que me ensinaram sobre som, decidi descartar e desaprender. Comecei a criar um novo trabalho. E quando o apresentei para a comunidade artística, fiquei deslumbrada com o apoio e atenção que recebi. Eu percebi: som é como dinheiro, poder, controle; valor social. No fundo, sempre acreditei que som fosse algo seu, algo de pessoas que ouvem. E som é tão poderoso que poderia desempoderar a mim e ao meu trabalho, ou me empoderar. Escolhi me empoderar.

6:07Existe uma cultura enorme em torno da língua falada. E porque não uso literalmente minha voz para me comunicar, aos olhos da sociedade é como se eu não tivesse voz. Então preciso trabalhar com pessoas que me tratem de igual para igual e se tornem minha voz. Dessa forma, consigo manter relevância na sociedade de hoje.

6:35Então na escola, no trabalho e em instituições, trabalho com vários intérpretes de ASL. E suas vozes se tornam minha voz e identidade. Eles me ajudam a ser ouvida. E suas vozes têm valor e aceitação.Ironicamente, ao me valer de suas vozes consigo manter uma forma temporária de aceitação, quase como pegar um empréstimo com elevada taxa de juros. Se eu não continuasse com essa prática, sinto que poderia sumir no esquecimento e não ter nenhuma forma de valor social.

7:28Então, tendo o som como meu novo meio de arte, mergulhei no mundo da música. Fiquei surpresa ao descobrir as semelhanças entre música e ASL. Por exemplo: uma nota musical não pode ser totalmente captada e expressa no papel. E o mesmo se aplica a um conceito em ASL. Ambos são altamente espaciais e modulados, o que significa que pequenas mudanças podem alterar todo o significado dos sinais e sons.

8:10Gostaria de compartilhar com vocês uma metáfora de piano, para que tenham uma melhor compreensãode como a ASL funciona. Então imaginem um piano. ASL é dividida em vários parâmetros gramaticais diferentes. Se atribuirmos um parâmetro diferente a cada dedo, como se faz no piano, como expressões faciais, movimentos do corpo, velocidade, formato da mão e assim por diante, como se faz no piano. O inglês é um idioma linear, como uma tecla pressionada por vez. Porém, ASL é mais como um acorde:todos os dez dedos devem pressionar simultaneamente para expressar um conceito ou ideia claros na ASL. Se uma das teclas mudasse o acorde, criaria um significado completamente diferente. O mesmo se aplica à música em relação a tom, timbre e volume. Na ASL, valendo-nos de vários parâmetros gramaticais, podem ser expressas diversas ideias.

9:16 Por exemplo, o sinal OLHAR-PARA. Esse é o sinal OLHAR-PARA. Estou olhando para vocês. Encarando vocês.

 

 

9:51 Então pensei: “E se eu olhasse para ASL por uma lente musical?” Se eu criasse um sinal e o repetisse várias vezes, poderia se tornar algo como música visual. Por exemplo, esse é o sinal para “dia,” como o sol levanta e se põe. Esse é “o dia todo.” Se eu fosse repetir e desacelerar, visualmente parece música.Dia… todo. Acredito que o mesmo se aplica a “noite toda.” “Noite toda.” Isso é NOITE-TODA, representada nesse desenho. Isso me fez pensar em três tipos de noite: “noite de ontem,” “durante a noite,” (Cantando) “a noite toda.”

11:06 Creio que o terceiro tem mais musicalidade que os outros dois.

11:12 Isso representa como o tempo é expressado na ASL e como a distância do seu corpo pode expressar mudanças no tempo. Por exemplo, 1H é uma mão, 2H são duas mãos, o tempo presente acontece mais próximo e em frente ao corpo, o futuro é na frente do corpo, e o passado às suas costas O primeiro exemplo é “muito tempo atrás.” Então “passado,” “costumava” e o último, que é meu favorito, com uma noção bem romântica e dramática, “era uma vez.”

11:56 “Tempo comum” é um termo musical com assinatura de tempo específica de quatro batidas por compasso. Mas quando eu vejo as palavras “tempo comum,” o que vem à minha cabeça automaticamente é “ao mesmo tempo.” Então percebam RH: mão direita, LH: mão esquerda. Temos a pauta na cabeça e no peito.

 

12:24 Agora vou demonstrar um formato de mão chamado “Flash Claw” Vocês podem me acompanhar, por favor? Todo mundo, mãos para cima. Agora vamos fazer na cabeça e no peito, como “tempo comum” ou “ao mesmo tempo”. Sim, conseguiram. Isso significa “se apaixonar” na Língua de Sinais Internacional

12:52 Língua de Sinais Internacional, como uma nota é uma ferramenta visual para ajudar a comunicação entre culturas e línguas de sinais pelo mundo.

13:00O segundo que eu gostaria de demonstrar é esse. Por favor me acompanhem novamente. E agora esse.Isso é “colonização” em ASL

13:22 Agora o terceiro. por favor me acompanhem de novo. De novo. Isso é “iluminação” em ASL. Vamos fazer os três juntos. “Se apaixonar,” “colonização,” e “iluminação.” Bom trabalho, pessoal.

13:52 Percebam como os três são similares, eles acontecem na cabeça e no peito, mas eles tem significados bem diferentes.

13:58 É incrível ver a ASL viva e prosperando, como a música está. Entretanto, hoje em dia, vivemos em um mundo centrado no áudio. E apenas porque ASL não tem som, automaticamente não tem moeda social.Precisamos pensar mais sobre o que define moeda social e permitir que a ASL desenvolva sua própria forma de moeda, sem som. Isso poderia ser um passo para uma sociedade mais inclusiva. E talvez as pessoas entendam que não precisam ser surdas pra aprender ASL, nem precisa ouvir para aprender música.

14:47 ASL é um tesouro tão rico que eu gostaria que vocês tivessem a mesma experiência. E gostaria de lhes convidar a abrir seus ouvidos, abrir seus olhos, participar da nossa cultura e experimentar nossa linguagem visual. E nunca se sabe, talvez vocês se apaixonem por nós.

 

 

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: