Ode ao Eclipse

 

Ode ao Eclipse

por ser único,
era tão raro,
astronômico.
Ékleipsis,
a soma de forças gravitacionais,
de astros distantes.
Sol e Lua :
se aproximam,
se atravessam,
se ocultam,
se interpenetram,
mesmo a milhares de quilômetros.

Não sei se é o excesso de luz,
o silêncio interestrelar,
o pranto das estrelas
ou a força brutal da natureza,
que os aproxima,
que os faz convergir a um mesmo ponto.
Um corpo na sombra do outro,
uma vida transpassada pela outra.

Solar e lunar,
total e parcial,
temido e admirado.
Amado pelo mistério
da sobreposição de luz e sombra,
pelo alinhamento perfeito dos corpos
que mesmo a distância
tornam-se um.

n.n.a

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s