Hominem (humano)


“Memento, homo, quia pulvis es et in pulverem reverteris”
(Lembra-te, homem, que és pó e em pó tornarás)

Humano orgânico,
com suas vísceras à mostra, suas raízes expostas,
seus dedos subterrâneos agarradas ao útero da terra.
Plantado e fixo em um ponto, um lugar do planeta.
Desesperado e dependente da luz do sol, da luz celeste.
Faminto e desesperado por justiça e equidade.

Humano insaciável,
que deseja a imensidão do mar,
que almeja as asas de Ícaro,
que deseja voar, feito passarinho.
que deseja o inatingível, o inacessível
que busca a inocência perdida, o jardim do Éden.

Humano indefeso,
dependente e frágil neonato.
Que começa a morrer logo ao nascer.
Com seus bilhões de células vivas,
com um cérebro cheio de nós, fissuras e dobras.
Humano: totalidade de corpo, alma e espírito.

Humano…
com cabelos desgrenhados ao amanhecer,
com suas dores e odores, sua boca amarga e seca,
com seus olhos cansados e mãos suadas,
com rugas impressas no rosto,
com sua alma em pedaços.

Humano…
com cabelos enfeitados de estrelas,
com mãos carregadas de pérolas e brilhantes
e pés adornados de lírios,
vestido do ouro da realeza,
de pedras preciosas, turmalinas e esmeraldas
Cheio de razões e boas intenções.

Humano….
Tantas vezes desumano….
Que sente demais ou de menos…
Que ama demais ou de menos…
Que come demais ou de menos…
Indiferente a dor do próximo.
Que consome cada vez mais, para sufocar sua dor maior.

Humano que habita nas trevas,
que fica na beira do abismo,
que perde o rumo, a estribeira e a eira da vida,
que não quer, nem busca ser consolado.
que navega perdido em redes virtuais,
que procura uma luz no fim do túnel.

Humano…
que busca a verdade,
que deseja o divino, o espiritual, o celestial.
Que carece de misericórdia, piedade e perdão.
Humano, humano, humano…
Quando findará sua dor, quando encontrarás a paz?

“Deus tenha piedade de nós,
homens e mulheres pecadores,
famintos, sedentos, nus e pobres.
Indiferentes, egoístas, individualistas,
Miseráveis humanos…
Deus tenha piedade de nós”

“Agnus Dei,
qui tollis peccàta mundi;
miserère nobis.
Agnus Dei,
qui tollis peccàta mundi;
dona nobis pacem.”

N.N.A 26/04/2008

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site no WordPress.com.

Acima ↑

Poeta da Garrafa

Este sítio expõem a palavra, a imagem, a voz da minha poesia. Foto: Odilon Machado de Lourenço.

XI Encontro Nacional de Estudantes de Musicoterapia (ENEMT)

Site do Encontro Nacional de Estudantes de Musicoterapia evento realizado no Brasil desde 2009!

escamandro

poesia tradução crítica

Filipe Miguel

Um mundo inteiro à nossa frente, Um olhar profundo que se sente

Beija-flor Cigano

Poesias, frases e pensamentos

Diário da Inclusão Social

A inclusão como ferramenta de transformação social

Depressão com Poesia

Assumi o conflito que afeta a saúde mental e apaga o amável: depressão. A qual combato com a força da escrita, com a POESIA. Uma forma de elaborar a dor em arte. Vem e vamos juntos ler a vida.

escritora claudia isadora fernandes de oliveira

blog para divulgar meus livros e outras cositas más q ando aprontando...;)

Blog Carol Luvizotto

Ponto de vista: Carreira Acadêmica, Pesquisa Científica e Educação

Thiago Amazonas de Melo

Não acreditem em nada do que eu digo aqui. Isso não é um diário. Eu minto.

noemiansaygmail.wordpress.com/

Poética do Cotidiano

WordPress.com em Português (Brasil)

As últimas notícias do WordPress.com e da comunidade WordPress

%d blogueiros gostam disto: