“Vísceras abertas”

Abriram minhas vísceras.
E o que encontraram?
carne, sangue,
sangue, carne,
uma mistura de
vermelho-encarnado,
verde-ácido,
cinza chumbo,
um odor peculiar,
repugnante,
estonteante,
mais do que isto….
dentro desta órbita aberta,
órgãos inchados,
humores instáveis,
dores do passado,
úlceras sangrando,
infecção generalizada,
preconceitos velados,
um liquido verde-musgo,
misturado com sangue vivo,
esparramado por todas as vísceras.
“Olhar para as próprias vísceras”,
é ver o que não se quer ver,
é sentir o que não se quer sentir,
é provar o gosto da morte,
é sentir o cheiro da cova.
“Olhar para as próprias vísceras”,
é encarar as fraquezas,
os erros, o egoísmo,
a fragilidade humana,
é reconhecer a incapacidade
de mudar sozinho,
é olhar para as incoerências e faltas
cometidas contra si mesmo
e contra o próximo.
“Olhar para vísceras”,
é ver a derrota, o fracasso,
é olhar sem lentes,
para o holocausto,
para Hiroshima e Nagasaki,
é olhar para os corpos carbonizados,
desintegrados,
de 11 de setembro,
para os massacres do mundo
pós-moderno,
é olhar a impunidade de
crimes de guerra,
é olhar os corpos desaparecidos
de presos políticos,
é olhar a dor de mães que
perdem seus filhos em campos
de batalhas.
É olhar o sangue inocente derramado
nas ruas, nas favelas,
é olhar crianças famintas do
Haiti, que enchem o estômago com bolotas de argila e água.
É ver os mutilados da África.
É enxergar que potências
mundiais financiam guerras,
armas e vícios.
É sentir as dores ou pelo menos
tentar sentir
dos miseráveis,
dos desempregados,
dos oprimidos,
dos doentes,
dos assalariados,
das minorias,
“Olhar as próprias vísceras”,
é viver a incapacidade de ser
o que outros desejam
que sejamos
É reconhecer que neste mundo,
não há lugares seguros e estáveis,
que o paraíso fechou as portas,
é ver que neste mundo
ter é mais do que ser,
é encarar que músicos e poetas
enterram seus talentos
mesmo antes deles terem nascido,
Mas, sobretudo é
assumir que este olhar,
pode nos levar,
a um grito desesperado,
que este olhar pode despertar em
nós um sentir, um olhar,
um amar, não fingido.
Obviamente,
existirão aqueles
que irão preferir comer
suas próprias vísceras,
antropófagos,
que se fortalecem
ou se iludem silenciando sua dor,
comendo suas vísceras
em um prato frio.
Prefiro pensar que ao olhá-las,
investigá-las,
manipulá-las,
tocá-las,
limpá-las
isto poderá nos trazer compaixão.
Uma tomada de atitude
que possa nos beneficiar
e beneficiar a muitos,
a ter sensibilidade
com nossas dores
e com as dores do próximo,
trazendo cura,
desenvolvendo a tolerância
e a aprendizagem
de uma forma responsável e ética
de ser e estar no mundo.

N.N.A 25/09/2007

E lhes darei um só coração, e porei dentro deles um novo espírito; e tirarei da sua carne o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne,
Ez 19:11

Um comentário em “

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site no WordPress.com.

Acima ↑

Planeta NSTM

Página web basada en el arte conceptual, poesía, noticias destacadas, análisis de múltiples temas sociales, económicos y políticos.

Poeta da Garrafa

Este sítio expõem a palavra, a imagem, a voz da minha poesia. Foto: Odilon Machado de Lourenço.

XI Encontro Nacional de Estudantes de Musicoterapia (ENEMT)

Site do Encontro Nacional de Estudantes de Musicoterapia evento realizado no Brasil desde 2009!

escamandro

poesia tradução crítica

Filipe Miguel

Frases, pensamentos, textos... amor, amizade, saudade, sentimentos à flor da pele.

Beija-flor Cigano

Poesias, frases e pensamentos

Diário da Inclusão Social

A inclusão como ferramenta de transformação social

Depressão com Poesia

SOBRE SAÚDE MENTAL E POESIAS

escritora claudia isadora fernandes de oliveira

blog para divulgar meus livros e outras cositas más q ando aprontando...;)

Thiago Amazonas de Melo

Não acreditem em nada do que eu digo aqui. Isso não é um diário. Eu minto.

WordPress.com em Português (Brasil)

As últimas notícias do WordPress.com e da comunidade WordPress

%d blogueiros gostam disto: